- TERAPIA CONJUGAL-

​Problemas sexuais, falta de confiança, falta de comunicação, infidelidade, discussões constantes, agressão verbal e física são indicadores que a relação do casal não está bem. A rotina do dia-a-dia, a monotonia e a falta de diálogo no casal são apontados como fatores preponderantes para o aumento da taxa de divórcios em Portugal. Estas situações de crise, associadas ou não ao divórcio, estão entre as principais causas para Perturbações como: Stress, Depressão e Ansiedade.

O recurso a uma Terapia Conjugal baseada nas mais avançadas Técnicas Cognitivas e Comportamentais permite obter melhorias, no relacionamento dos parceiros, em poucas sessões terapêuticas. Importa salientar que o principal objectivo da Terapia Conjugal é ajudar os parceiros a reencontrarem-se com o "nós" que, por vários motivos e circunstâncias, se perdeu ou diluiu, e não a apaixonarem-se porque o psicólogo não tem "varinhas de condão".

Em que situações deverá recorrer a uma Terapia Conjugal?

A intervenção terapêutica é centrada no relacionamento amoroso e procura:

◦Enriquecer os comportamentos positivos;
◦Enriquecer a capacidade comunicativa com o cônjuge;
◦Desenvolver habilidades de resolução nos conflitos do dia-a-dia;
◦Resolver divergências na educação dos filhos;
◦Mudar padrões de comportamentos que levam à discórdia conjugal;
◦Resolver situações associadas a ciúmes e traição;
◦Aliviar problemas relacionados com insatisfação sexual;
◦Reestruturar padrões de pensamentos disfuncionais e prejudiciais;
◦Procurar a diminuição progressiva dos conflitos destrutivos (discussões, intolerância e irritabilidade na relação);
◦Tentativa de salvar o relacionamento antes de haver uma decisão de separação do casal;
◦Avaliar crenças quanto ao relacionamento;
◦Resolução de situações associadas ao divórcio.

Como é a Terapia Conjugal?

Sessões iniciais (3/4 sessões) – Realização de uma avaliação cuidadosa do relacionamento através de reuniões e entrevistas individuais, com vista à elaboração de um plano de intervenção. Em alguns casos, poderá haver a necessidade de realizar sessões adicionais.

Se a Terapia Conjugal for a mais indicada, para os parceiros, o tratamento seguirá com sessões semanais, com o casal, com duração de 50 minutos.

Para que a Terapia Conjugal tenha sucesso é preponderante realizar um trabalho conjunto com o casal. No decorrer das sessões o psicólogo apresentará actividades para serem realizadas quer no gabinete, quer em casa do casal. Estas actividades visam, principalmente, aumentar a capacidade comunicativa do casal e concomitantemente a sua satisfação conjugal.

A quem não é indicada a Terapia Conjugal?

Existem situações específicas em que requerem previamente Psicoterapia individual:

1. Dependência de álcool ou drogas de um dos elementos do casal;
2.Quando já existiram vários relacionamentos instáveis devido a uma perturbação de personalidade ou de carácter:
Quando existem problemas emocionais ou comportamentais (por exemplo: esquizofrenia, depressão), o tratamento pode ser mais difícil, mas a Terapia Conjugal pode ser bem sucedida se estes problemas estiverem a ser tratados, podendo até ser um bom complemento para este tratamento psicoterapêutico e/ou medicamentoso. Se estes problemas forem o resultado das dificuldades conjugais (especialmente, depressão), a Terapia Conjugal é indicada desde logo.

A Terapia Conjugal também não é indicada para os seguintes casos:

1. Existência de um relacionamento extra-conjugal, com o qual não se procura terminar;
2. Quando a separação do casal já está decidida, por pelo menos um dos seus elementos;
3. Quando existem situações de abuso físico, por um dos elementos do casal;
4. Quando nunca houve atracção ou paixão entre o casal.

 

 

 

 

 

 

Avenida Elias Garcia, 137, 4º

1050-099 Lisboa

Tel: 969091221

  • Facebook Social Icon
  • Blogger Social Icon