04/06/2019

Please reload

Posts Recentes

Há alguma relação entre a sexualidade e sentido de vida?

08/10/2019

1/7
Please reload

Não perca!

Os contos de fadas modernos

 

 

Canta o músico portuense Miguel Araújo que "os maridos das outras são/o arquétipo da perfeição". Um verso inocente que com certeza muitos assinam por baixo, a avaliar pelo sucesso que a canção alcançou. A verdade é que os casais-modelo sempre existiram e sempre fizeram os outros sonhar acordados. O pior é quando os ídolos deixam os pés de barro à mostra, divorciam-se e até se travam de razões em público. Aconteceu recentemente com Angelina Jolie e Brad Pitt, cuja separação acabou com um conto que parecia encantado. Porém, para o psiquiatra Carlos Amaral Dias não há dúvidas no processo: "Vão ser rapidamente substituídos por outros que preencham o mesmo papel e que nos permitam continuar a idealizar". Até porque "somos todos crianças grandes à procura da eterna felicidade".

 

Segundo o psiquiatra, a idealização dos relacionamentos alheios, sobretudo os das celebridades (mas também podem ser os dos vizinhos e amigos), corresponde do ponto de vista psicológico a uma fase do desenvolvimento infantil que acaba por ter eco na idade adulta.

 

"É a chamada fase do ‘romance familiar’. Cerca de 30 por cento dos adultos lembram-se que experimentaram esta fantasia numa determinada época da infância, outros 30 por cento não se lembram mas também passaram por ela. Corresponde à fase em que se imagina que os nossos pais não são aqueles que nos deram a vida mas sim outros que nunca vimos mais gordos mas que são sempre ‘perfeitos’. Geralmente reis ou rainhas. Ou artistas. Gente de personalidade nobre, inteligente, lindíssimo, com uma espécie de toque de Deus. Faz parte do crescimento normal e tem também a ver com o facto de, à medida que cresce, a criança perceber que os pais, afinal, não são bem aquilo que idealiza. Costumamos dizer que é a fase da ilusão/desilusão", explica Carlos Amaral Dias.

 

Só que as fantasias nem sempre ficam encerradas no baú juntamente com os brinquedos da infância. "Somos todos crianças grandes. Idealizamos, fantasiamos a toda a hora com a felicidade e servimo-nos dos exemplos que nos são vendidos como tal. Só que isso dá origem a uma verdadeira indústria, que é esta das celebridades. As revistas cor de rosa existem tão somente para preencher esse lugar na vida das pessoas. Para fazê-las acreditar que os sonhos podem ser realidade e que há pessoas reais que correspondem aos nossos melhores sonhos. Se na infância a fantasia faz parte do crescimento, na idade adulta serve para preencher o vazio", acrescenta o psiquiatra.

 

As páginas das revistas sociais estão cheias de histórias de amor e famílias perfeitas: Victoria e David Beckham, Beyoncé e Jay-Z ou Ben Affleck e Jennifer Garner - que desistiram do divórcio. Na realeza, Felipe e Letizia estão felizes em Espanha, como no início Carlos e Diana estavam em Inglaterra. Em Portugal, Fernanda Serrano e Pedro Miguel Ramos são a carne e o osso de uma união sólida e apaixonada de dois seres bafejados pela sorte e a beleza. Mas já houve outros, que não duraram: Alexandra Lencastre e Piet-Hein ou Pedro Teixeira e Cláudia Vieira.

 

Comparações

 

A tendência de olhar para o lado e tecer comparações é inevitável e global. Invariavelmente, somos demasiado duros connosco e idealizamos demais os outros, ‘adivinhando-lhes’ a felicidade nos gestos públicos. Mesmo que, como adultos, saibamos que as aparências iludem.

 

"Porque felizmente queremos sempre acreditar em coisas boas. Se os contos de fadas não existissem, tínhamo-los inventado, porque precisamos de acreditar em finais felizes. Para não sucumbirmos à aleatoriedade e sentirmos que temos algum controlo sobre a nossa vida: se fizermos tudo direitinho, a história vai acabar bem", tece a escritora e jornalista Isabel Stilwell.

 

"Quanto à felicidade que adivinhamos nos outros e comparamos com a nossa, se calhar às vezes somos um bocadinho invejosos, a que juntamos tantas vezes uma boa dose de preguiça: os outros são todos muito felizes porque têm isto e aquilo que nós não temos, e ficamos sentados no sofá sem fazer nada por nós mesmos e pela nossa relação", sugere Isabel Stilwell.

 

Luísa Castel-Branco, outra escritora, partilha da mesma opinião: "As pessoas têm necessidade de acreditar nos contos de fadas e no ‘felizes para sempre’ para suportar o seu próprio dia a dia. Não sei se têm a perfeita noção de que os famosos são simplesmente seres humanos, apenas com mais dinheiro e regalias, mas tirando isso têm os problemas que todos os outros têm. E há uma certa cultura do voyeurismo. O que acho mais curioso neste fenómeno é o facto de o protótipo do casal-modelo ter mudado ao longo dos tempos. Consoante a sociedade muda, evolui também. Antigamente o modelo do casamento real encaixava no sonho de todas as meninas, agora já não. As celebridades estão muito mais próximas dos ideais dos dias de hoje", remata.

 

Até porque no tempo das rainhas, a noção de felicidade no amor era bem diferente: "Os casamentos eram ‘negócios’, as expectativas deviam ser baixíssimas e com sorte - e aconteceu em alguns - aprendiam a conhecer-se e a amar-se, mas acho que hoje nenhum de nós gostava de ser um destes peões na diplomacia entre reinos ou famílias", adverte Isabel Stilwell, autora dos romances históricos ‘D. Filipa de Lencastre’ ou ‘D. Maria II’. Por isso, admite que os famosos possam hoje em dia assumir o papel que os reis e as rainhas tiveram noutros tempos: "Imagino que sim. Mas muito sinceramente tenho sobretudo pena desses casais que veem todos os momentos das suas vidas espiolhados e interpretados. Mesmo quando leio nas revistas, penso sempre ‘Mas alguém faz lá ideia do que é a vida deles, do que pensam, do que sentem?’".

 

Só que essa é uma pergunta sobre a qual a maioria não se debruça por muito tempo, conforme esclarece o psicólogo e sexólogo Fernando Mesquita, autor de ‘Aprender a A.M.A.R.. Até porque, nestas coisas do amor, muitos outros valores entram também em jogo.

 

"Não podemos esquecer que vivemos numa sociedade que hipervaloriza a racionalidade e desconsidera a inteligência emocional, onde o importante é ‘produzir’ e ‘ter’, deixando-se para segundo plano o ‘sentir’ e o ‘ser’. Que prefere as relações virtuais aos amigos reais, investindo mais tempo em frente aos ecrãs dos computadores e telemóveis a falar com quem não conhece. Depois, as pes